Desescolarização

Desescolarização é uma palavra longa, esquisita e que pode assustar muita gente.

Eu pensei em várias formas de começar a conversa sobre esse assunto aqui no blog, mas acredito que a melhor forma seria eu dizer o mesmo que a Lígia do blog “Cientista que virou mãe” disse num post sobre o mesmo tema:

 

“É assim mesmo, tudo sobre o qual não falamos com frequência gera estranhamento. Isto posto, é fácil entender que, depois de ter acesso a outras informações e de ler mais sobre o assunto, a coisa perderá seu caráter surpreendente e assustador. E, olha, não se assuste se, até, começar a fazer sentido. Então, coragem! Perca seu medo e vamos juntos falar sobre. Estou te convidando para outras investidas, que tal?”

 

A minha idéia para contribuir nessa conversa, é traduzir os textos mais interessantes que eu li/ouvi a respeito do tema em blogs e podcasts em inglês, e apresentar para vocês provavelmente junto com um comentário meu sobre a nossa experiência se for pertinente.

 

No meu processo de autoconhecimento, nessa jornada em me tornar uma pessoa melhor e em consequência ser uma mãe melhor, eu contei com a ajuda da minha amada internet. Em uma das minhas buscas por podcasts sobre parenting eu conheci a Amy Childs que, na época, fazia um podcast que chamava “Whatever Whatever Amen”.

 

Amy é mãe de 3 filhos já crescidos e desescolarizados. Foi escutando um de seus podcasts que eu entrei em contato pela primeira vez o termo unschooling. Depois disso, fui descobrindo outras pessoas que falavam sobre o tema, e fui me interessando cada vez mais sobre o assunto. Mas, ainda assim, meu meio favorito para entrar em contato com vários assuntos, continuou sendo via áudio. Por isso, quase morri de alegria quando a Amy começou um podcast inteiro, dedicado ao assunto!

 

E foi esse novo podcast – The Unschooling Life – que me inspirou a iniciar de vez, não só o processo de desescolarização na nossa família, como também a série sobre o tema nesse blog.

 

Uma observação sobre as traduções:

 

  1. Eu não sou tradutora, não fiz letras, e nenhum curso que me qualifique pra fazer aqui o que eu estou fazendo. Quis traduzir mesmo assim porque acho o conteúdo muito bom e quero disponibilizá-lo para pessoas que não teriam acesso a ele de outra forma. Sempre que possível, citarei a fonte e o texto original.
  2. Depois que eu comecei a traduzir alguns textos, descobri que em muitos momentos é difícil simplesmente traduzir a palavra unschooling para desescolarização… Isso acontece porque mesmo em inglês, as pessoas que adotam esse estilo de vida, têm dificuldade em definir o que seja o unschooling. Muitas usam outras palavras para falar da mesma coisa, pois não gostam do termo unschooling. Mais para frente, eu postarei um texto sobre o assunto da denominação. Mas, por enquanto, eu tomei liberdade em usar em alguns textos a palavra “desescolarização” e “crianças desescolarizadas” e algumas vezes deixar os termos como no inglês original: unschooling e unschoolers.

 

Acho que é isso, em breve postarei a primeira tradução, enquanto isso deixo com vocês esses vídeos que encontrei. Neles, Andre Azevedo dá um resumão do livro Sociedade Sem Escolas, do Ivan Ilich. Eu confesso que não li o livro ainda, mas gostei muito da forma como o Andre expôs as suas idéias. Fica ai mais uma pessoa ajudando a diminuir o estranhamento e aumentando as conversas sobre a desescolarização.

Please follow and like us:

Comments

  1. Bom dia, Verônica.

    Estou lendo livro Ivan Illich e achei muito interessante a proposta de desescolarização. Ainda não tive a oportunidade de ouvir os podcasts que você recomendou, mas pretendo fazê-los em breve.

    O que achei muito interessante no livro foi que ele propõe forma de reuniões de pessoas muito semelhantes a que hoje as pessoas fazem por meio de fóruns na internet para trocar informações e conhecimentos, sem a necessidade de institucionalizar o conhecimento e buscar diplomas para comprovar o aprendizado de uma habilidade e como você faz com a sua filhinha por meio de apps, experiências de vida e livros não-didáticos.

    No entanto, para darmos sequência profissional ou ingressarmos em uma universidade na sociedade em que vivemos, precisamos dos certificados anteriores. Você como funciona a questão da habilitação profissional na Europa e como as crianças que não aprenderam por meio das escolas conseguem se inserir no meio profissional ou construir seus meios de vida no futuro?

    Isso ficou pouco claro pra mim por meio dos posts que escreveu, se puder publicar algo a respeito mais para frente para me inteirar dessa questão, ficaria agradecida.

    Não tenho filhos ainda, mas me interesso sobre o assunto e sobre a experiência de pais que praticam esse modo de educação.

    Obrigada pela atenção,

    Daniele Milani.

    1. Author

      Oi Daniele, Sobre os diplomas e como crianças desescolarizadas conseguem eles, estou preparando um post inteiro dedicado ao assunto. Se você quiser, me adicione no facebook, ou a nossa página, que assim que ele estiver pronto você pode ficar sabendo. Fora isso, parabéns por não ter filhos e estar pesquisando sobre o assunto. O mundo seria um lugar melhor se as pessoas pesquisassem sobre esses assuntos antes de terem filhos. Eu sei que minha vida teria sido mais fácil se eu tivesse feito isso.

Leave a Comment